quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Eu falava aos ventos


Eu estou com saudades de uma criança, a que morava dentro de mim, me lembro dela imaginando um mundo que não existe, mas perfeito para se viver. Não que eu não possa mais viver no mundo do faz de conta, mas quando me pego conversando com um amigo imaginário, imaginando um dinossauro no quintal, um mundo de pequeninos ou coisas do tipo eu me sinto ridícula. É tanta pressão da realidade que fazer de conta alguma coisa nos leva ao ridículo, eu sinto tanta falta de ser feliz em um mundo que não existia, eu tento manter vivo em mim coisas que admirava quando criança, antes de dormir todas as noites invento uma historia, só assim eu tenho as melhores noites de sono. Eu era sozinha e a minha imaginação minha melhor amiga, eu era princesa, bruxa, marinheira, aventureira, á árvore era a maior casa que eu conhecia, era meu esconderijo, e minha imaginação era minha confidente, conversava aos ventos o dia todo e não me cansava, agora às vezes quando a situação aperta chamo ela, tentando encontrar os fragmentos de imaginação que me restaram, eu falo sozinha, mas não sito seu nome, eu deixo ficar subentendi que estou apenas sobre os livros estudando. A vida era imaginaria, mas há mais vida no passado que no presente.
Maristela Saldanha 14/11/2012

14 comentários:

  1. muito bom teu blog... soa como um mundo particular!!


    http://eufilhodamaeoficial.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Gostei de ler seu blog. Gosto de ler blogs desse tipo.
    Se quiser pode entrar para um grupo que temos no facebook para blogueiros

    https://www.facebook.com/groups/amigosblogger/

    O pessoal lá curte muito ler e com certeza vai gostar do seu blog.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  3. Também não estou gostando de ser gente grande. Esse negócio não é legal!
    Saudades de brincar, brincar e imaginar um mundo imaginário e onde eu era a única dona dele.

    http://marretada.zip.net/

    ResponderExcluir
  4. Hum..... É o tempo passar de uma forma que as vezes precisamos fazer algo no exato momento para depois de velho não reclamarmos.

    ResponderExcluir
  5. Isso meus amores, é disso que estou falando >.<

    ResponderExcluir
  6. Enqto lia teu texto, vi minha infancia!
    Adorei teu blog e teus textos. Seguindo ;)


    http://inlifememories.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Oi... consertei a caixa de seguidores do meu blog: http://eufilhodamaeoficial.blogspot.com.br/ gostaria muito que você seguisse... obg!

    ResponderExcluir
  8. Maristela! Obrigada pelo comentário no meu blog!
    Fico no aguardo do seu próximo post.

    Beijos

    http://marretada.zip.net/

    ResponderExcluir
  9. Que lindo,achei muito bonito esse texto,você escreve muito bem,parabéns.-Um abraço e fica com Deus.

    ResponderExcluir
  10. A infância passa, mas as memórias permanecem. Que sejam boas, então!

    Nunca perca o dom de admirar-se com a vida!

    ResponderExcluir
  11. O tempo é uma coisa muito curiosa. Ele cura as feridas, faz a gente morrer de saudade, deixa as suas marcas.

    www.cchamun.blogspot.com.br
    Histórias, estórias e outras polêmicas.

    ResponderExcluir
  12. tem coisas na vida que não da pra esquecer, quanto mais o tempo parece que fica guardado na gente
    segundo se puder retribuir
    http://contosdagarotameroko.blogspot.com
    se puder curti a fanpage tbm https://www.facebook.com/sonhos.da.garota.Meroko

    ResponderExcluir
  13. Que lindo Maristela,me vi criança nesse texto,muito delicado,amei.

    ResponderExcluir
  14. Lindo texto.
    As vezes, os mundos de faz de conta, ou um passado distante, parecem ser muito mais reais e palpáveis do que a realidade, o presente.

    1000 outras Histórias
    www.1000outrashistorias.blogspot.com

    ResponderExcluir